Arquivo da categoria: Papo de Aprovado

Papo de Aprovado 10#

Oiiiiiiii Pessoal! Domingo é o meu dia! E venho com mais um papo de aprovado =D  E o nosso papo de aprovado de hoje é com o Filipe! =D Espero que gostemm!

Beijosss~*

Quem é o Filipe?

Filipe Oliveira da Silva, 19 anos, 1,85m, magro, de São José do Rio Preto-SP, cursando medicina agora na FURG(Univ. Fed. do Rio Grande-RS). Amigo, esforçado, inquieto, tranquilo, sonhador.
Porque você escolheu Medicina?

Quando eu ia no pediatra eu achava ótimo aquele local de trabalho dele. Ok, ele sempre dava algum gibi ou doce no fim da consulta, e eu achava isso muito massa, falava que ia trabalhar lá. Hahaha, mas cresci comecei pensar em dois cursos: Publicidade e Direito(Sempre fui bem comunicativo, e achava que tinha que trabalhar com algo que eu falasse bastante). Chegou o terceiro colegial eu descartei Publicidade e resolvi prestar direito, mas só queria Largo do São Francisco, não pensava em outra faculdade. Pois bem, estudei pra caramba e não passei. Entrei pro cursinho pensando: Poxa, mais um ano puxado desse, e acho que direito não é bem o que eu quero. Logo me veio Medicina na cabeça, mas em um primeiro momento como uma coisa bem distante ainda, veio na cabeça pelo desafio eu acho. Eu sempre me cobrei muito, sempre me desafiei muito, e acho que quis começar outro desafio. Pois bem, entrei no cursinho firme que queria medicina, e o que era “só um desafio” pra mim, passou a ser algo sério, e comecei a entender o pq da medicina.

Falei tudo isso, mas acho que agora que respondo a pergunta, que só no cursinho eu fui saber responder: Medicina pra estudar a coisa que eu acho a mais fascinante: O ser-humano. Era encantador pensar na possibilidade de entender melhor o funcionamento do corpo, poder ajudar, poder ter uma profissão que eu me orgulhasse.

 

Quanto tempo de cursinho, e o que ele acrescentou à sua vida?

Fiz 1 ano de cursinho. Acho que tudo que vou falar é bem clichê, mas é o que aconteceu comigo e deve estar acontecendo com todos vcs vestibulandos. No cursinho eu  potencializei minha capacidade de ser paciente, de acreditar mais em mim, de traçar objetivos diários, semanais, mensais e cumpri-los. Passei a ter mais fé, a entender melhor sobre prioridades, a dar mais valor no apoio de amigos/familiares verdadeiros, a deixar o inútil, o fútil de lado e só olhar pro que importava no momento: passar no vestibular.
Acho que tudo isso são coisas que vou lembrar pro resto da minha vida acadêmica e profissional. Com certeza todo esse aprendizado não foi em vão.

Como você dividia seu tempo de estudo?

Eu era muito organizado, fiz um cronograma e segui rigorosamente!(sinto falta disso, nesse primeiro semestre de faculdade não consegui seguir a organização que eu tinha, haahah). Em vez de falar só do tempo de estudo vou relembrar minha rotina aqui, que de segunda a sexta era: Cursinho das 7 as 12:35, no intervalo eu lia jornal. Não morava tão longe do cursinho, e coincidia de ir pra casa almocar com meu pai. Então até umas 13h eu já tinha almoçado. Dormia das 13 as 13:30 (isso fazia toda diferença pra mim). 14h eu já estava no cursinho de novo, na sala de estudo. Lia toda teoria e fazia os exercícios mais importantes. Voltava pra casa entre 19-21h e fazia os exercícios que faltava a noite, e se desse tempo lia algo pra redação. De sábado minha aula tbm era das 7 as 12:35, mas eu não conseguia estudar muito bem a tarde, geralmente dormia até umas 15h e estudava até umas 19h. Sabado a noite eu descansava. Domingo cedo fazia redação, e a tarde exercícios que não deu tempo de fazer durante a semana.

Eu dei muita atenção pra redação e pra exatas. Treinei muuita redação, algumas durante a semana também, alcancei a nota que eu sonhava em todas redações, mas exatas me derrubou em todas de SP. Minha dica principal é: TREINEM MUITO REDAÇÃO, leem muito, leem jornal, revista, se atualizem.

 

 

Quais eram suas maiores dificuldades?

Tudo que envolvia física!! (hoje na faculdade ainda sofro com biofísica, mesmo não tendo muito a ver com a física do ensino médio, acho que só o nome já me amedrontou, haahah)
Qual era sua ‘inspiração’ nos momentos de desânimo?

Eu sempre tive muita fé e passei a me apegar mais a Deus, e acreditar que ele poderia me dar mais força, pra aguentar mais um dia. Além de olhar Orkut de ex-vdms, vídeos da faculdade, VIDEOS DO INTERMED! HAHAHAH(Intermed sul foi mês passado, ainda estou naquele clima, valeu a pena estudar! hahaha).

A outra inspiração é o pensamento que eu levei durante o ano(na ultima pergunta)

 

 

Como foi ser aprovado?

Amo contar isso, posso me empolgar nessa resposta? huasehauhuaha

Fim de janeiro, não tinha passado em nenhuma de São Paulo, eu estava muito decepcionado, mas já conformado. Pois bem, lá fui fazer minha matricula no anglo. Um dia antes de começar as aulas, eu entro no site da faculdade que estou hoje(FURG) e vejo meu nome numa lista de espera. Não entendi muito bem, comecei a ler e vi que teria uma “chamada oral” naquela mesma semana, e que eu deveria ir laa pro RS, perto do Uruguai (Meu Deus, tenho chances, mas tenho que ir até la, e agora?) Falei pro meu pai, ele foi resolvendo tudo. Fui no cursinho no outro dia, peguei aquele monte de livros, mas só pensando se iria la declarar interesse. Voltei pra casa, e peguei o voo na manha seguinte. Cheguei no RS, eu era o 14 da lista de espera. A LISTA RODOU ATÉ O 13. Meu Deuss, como assim, por uma pessoa eu não começo minha tão sonhada faculdade semana que vem? Maaaas, descobri la mesmo, que uma pessoa tinha passado na cidade dela, e estava deixando a vaga. Comecei a fazer a conta(muito difícil por sinal): Sou o primeiro da próxima lista. Já tem uma vaga garantida pra próxima chamada. MEU DEUS, EU PASSEI? Ainda não ¬¬ , não dava pra acreditar! com certeza algo daria errado! Tava muito bom pra ser verdade: O curso que sonhei o ano inteiro, no sul, no litoral… não, com certeza algo daria errado. Voltei pra casa, comecei acompanhar a comunidade do pessoal de lá, desisti de ir no cursinho, via fotos, todo mundo estava la, minha vaga estava la, mas eu não podia ir enquanto não saísse o oficial. Liguei naquela faculdade todo dia, e eles não falavam o dia que sairia o resultado. 1 semana e nada, 2 semanas e nada, 3 semanas atualizando aquele site a todo minuto e naaada. Até que numa terça-feira a tarde eu atualizo o site e vejo que saiu a próxima lista. Não tinha ninguém em casa, parei, olhei pra noticia e nao acreditava que realmente teve essa outra lista(eu já achava que não teria mais). Abro a lista. Ctrl F, medicina. MEU NOOOME ali em cima já?! Não tem como explicar esse minuto, por mais que “eu já sabia” que a lista rodaria e tal, foi algo indescritível, e ai foi tudo muito rápido, na mesma tarde já teve meu trote aqui, cheguei em casa meus pais fizeram uma surpresa: uma carta e  um esteto, saímos pra jantar e de madrugada já peguei o voo pra esse sonho chamado medicina!
Como é sua rotina hoje, de aulas e atividades atreladas ou não a faculdade?

Bom, como eu sempre fui de SP, mudar pro RS foi algo bem diferente, mas muito proveitoso, a rotina de morar longe de casa está me fazendo crescer bastante.

Por mais que o curso seja integral, a rotina é bem variada. Desde um dia em que eu quase não tenho aulas (terça) até um dia que tenho aula das 7:45 as 21h (quarta). Toda sexta de manhã somos divididos nas UBS da cidade e acompanhamos os médicos lá. Acompanhamos uma gravida durante o ano(a que eu acompanho vai ter o bebe agora em agosto, estou ansioso pra ver o primeiro parto)

Fora o tempo na faculdade eu tento ir pro anatômico estudar pra prova pratica, tentei começar ir pra academia mas não consegui, ahahah, entrei no basquete da faculdade :D, treinamos todas terças; alguns fins de semanas eu saio, outros não.

Entrei na liga do trauma, mensalmente tem um plantão de madrugada, em que acompanhamos o PS. É uma das partes que mais gosto.

 


Você mudou sua visão a respeito da Medicina no decorrer do curso?

Só tive um semestre, então até agora a faculdade é bem o que eu esperava. Com suas qualidades e defeitos.
Um recado pros nossos leitores & sofredores de plantão.

Algo que eu pensei desde o começo do cursinho, acho importante conseguir pensar assim:

Você vai ser médico! Tudo tem um tempo, basta você não desistir e continuar acreditando, se você lutar e não desistir, não tem outra saída, você vai ser médico!

Então a cada momento de desanimo, lembre-se que sua rotina de médico já começou, não começa só na faculdade. Começa agora, com você tendo forças pra lutar e aprender pra passar no vestibular, começa agora com você indo pro cursinho feliz pela sua carreira já ter começado. Não adianta se lamentar, você escolheu o curso mais difícil, então animo e força, no segundo semestre esse pensamento de “Minha carreira já começou aqui, estou feliz por estar no caminho certo” faz a diferença.

Parabens pela força doutores, vejo vocês pelos hospitais, congressos da vida. E quem for vir pro sul, até o intermed 2012 😉

Anúncios

PAPO DE APROVADO #9

Oie genteeeeeee!!!

Andei sumida…contratempos!!!

Mas,  finalmente postarei a entrevista com uma coleguinha muito especial. Ela prefere não se identificar, eu respeito isso, espero que todos façam o mesmo, 🙂

 

1 Quem é a “a_medicina”?

 

Uma estudante de medicina que tem a enorme vontade de compartilhar o dia-a-dia dessa profissão “maluca e feliz”, que faz a gente reclamar tantas vezes, mas não se imagina longe dela. Que acredita em DEUS e sonha com o dia em que as pessoas irão se importar apenas com o que é mais relevante, e que deseja fazer diferença com a sua vida.
2 Por que você optou pelo anonimato na internet?

 

Porque eu penso que o que mais importa não sou eu, mas o que acontece comigo. Quando criei esse perfil, tinha a intenção de compartilhar informações e histórias que também eram do meu interesse; ou seja, informações que eu gostaria de receber de pessoas que também vivenciam este curso. Acredito que muitas das situações poderiam ser enfrentadas de forma menos, digamos, embaraçosa se alguém tivesse me dito que iriam acontecer; mesmo que fosse inevitável passar por elas, mas pelo menos eu saberia que alguém se importaria comigo.

3 Porque você escolheu Medicina?

 

Na verdade, eu não escolhi; fui escolhida para ela. Por mais piegas que possa soar, para quem não acredita, eu nasci para ser médica. Acredito que DEUS, quando eu estava sendo gerada na barriga da minha mãe, plantou esse sonho no meu coração, como parte fundamental da minha existência por aqui. Desde sempre eu quis isso e não sei realmente o motivo; até porque não existem médicos na minha família, serei a primeira. Só lembro que eu queria e era algo muito forte, pois não me imaginava fazendo uma coisa diferente.

4 Como você dividia seu tempo de estudo antes de passar?

Eu passei muito tempo tentando, então eu tive várias fases de estudos: do desespero de passar 12 h por dia estudando em casa, até o de fazer inúmeros cursinhos ao mesmo tempo. Mas vou falar da minha experiência no ano em que passei, que é o que interessa, suponho…

Bom, eu entrei para um grupo de estudos no estilo PBL, estudávamos 8h por dia, 1 matéria por hora, intercalando matérias de leitura com matérias de cálculos. Tínhamos um cronograma anual a ser cumprido, que era a nossa programação, e englobava todos os assuntos dos principais vestibulares do estado. Eu NÃO ESTUDAVA no fim-de-semana, nem à noite… Por mais incrível que possa parecer, no ano que eu supostamente menos estudei, foi o ano em que passei! Porque o que faltava era organização. Todo mês fazíamos simulados, que eram discutidos em grupo. Por fora, fiz apenas um curso de português, para treinar redação e estudar gramática e literatura.
5 Quais foram suas maiores dificuldades?

 

A minha maior dificuldade era acreditar em mim mesma. Eu pensava que podia, mas não acreditava realmente nisso, eu não confiava no potencial que tinha. Mas eu tinha fé que um dia ia acontecer e isso soava meio contraditório… Tudo tem um tempo, mas para as coisas acontecerem no tempo certo, não basta a gente acreditar que DEUS irá fazer, a gente tem que acreditar que Ele nos deu capacidade para isso.

Também era ruim quando as pessoas “de fora” diziam para desistir, para fazer um curso que exigisse uma média menor. Se eu gostasse, realmente faria, mas eu não iria ser feliz. Eu queria medicina e pronto; cabou-se! A tristeza vinha, mas passava, quando eu pensava que eu não seria feliz fazendo outra coisa.

6 Qual ou Quem foi sua ‘inspiração’ nos momentos de desânimo?

 

Deus sempre foi o motivo maior da minha persistência. Ele é o autor da minha vida, se não fosse Ele, não teria conseguido aguentar por tanto tempo. Além de me dar força, de me segurar nos braços quando eu precisava (e ainda hoje, quando preciso), Ele me deu o privilégio de ter uma família que sempre me apoiou. Ela foi mais uma prova da fidelidade de DEUS, da certeza que eu não estava só, de jeito algum. Eles choraram comigo e também vibraram comigo. Dizem que eu sou o orgulho deles, mas eu que me orgulho de pertencer a eles. São os anjinhos do Senhor na minha vida.

7 Quantas vezes você tentou vestibular para medicina?

 

Ok! Essa parte é muito séria… Acredite quem quiser, mas eu tentei SETE vezes. E não foram sete vestibulares em 03 anos, não; foram sete ANOS de tentativas. Orgulho-me disso, mas como já disse, nunca estive só e não fiz nada disso apenas por mim mesma.

O número sete, na Bíblia, significa perfeição e, para mim, realmente o foi. Foram sete anos de luta, de choro, sim, mas de muitas alegrias também. Foi um preparo para receber o melhor de DEUS na minha vida e, apesar de ser extremamente contra as circunstâncias, eu fui feliz nesse tempo. Muitos dos meus grandes amigos eu conheci no cursinho e pude ter experiências maravilhosas com DEUS durante esse tempo. Meus limites foram testados, amadureci e meus sonhos também amadureceram. Aprendi muito e hoje eu digo com plena conviccção que, se tivesse entrado antes, não seria a médica excelente que serei, quando sair da universidade.

Com isso não digo que nunca fiquei triste, vamos com calma; eu tinha momentos de tristeza, sim, como uma pessoa normal, só que eu não era infeliz. Isso porque eu tinha plena certeza de que era apenas passageiro e, se eu tivesse que passar por isso para conseguir meu objetivo, iria passar de cabeça erguida. Lembro-me que quando recebia um resultado negativo chorava “o que tinha que chorar”, levantava a cabeça e já estava pronta para fazer tudo de novo.

Graças a DEUS passei em duas Universidades Federais, com isso ainda tive a oportunidade de escolher onde iria ficar. Foi tudo preparado para esse tempo ser o melhor tempo. A minha hora foi a melhor hora; o melhor de DEUS para a minha vida.

8 Como foi ser aprovado?

Foi surreal! Engraçado é que já imaginava que seria aprovada numa das universidades, porque eu fui classificada dentro das vagas; mas mesmo assim, bate aquele “medinho”, aquele frio na barriga de tanta ansiedade… Na outra, eu estava fora das vagas e consegui entrar no primeiro semestre.

Primeiro saiu o resultado da prova em que eu não estava classificada; quando vi meu nome naquela lista eu só fazia gritar. Eu nem chorei na hora, só queria rir. Só fui chorar no outro dia… Estava feliz, pois já tinha passado! Não só eu, como os meus colegas de turma. Foi uma farra boa: cortamos os cabelos dos meninos, fomos pintados de batom e jogamos “guitarr Hero”, para comemorar. Não teve bebidas, estávamos todos sóbrios!!! Engraçado foi que eu sempre sonhava, na véspera dos resultados, com o oposto. Sonhava que não ia ser classificada, e fui; que não ia pasar, e passei!!\o/

Mas, eu ainda tinha a vontade de passar na outra Universidade, que era a do meu imaginário. Daí, mais uma vez o resultado foi a aprovação e a alegria foi indescritível, como da primeira vez. E os meus colegas de turma passaram também e foi MUITO FELIZ!! Dessa vez, uma semana depois, de madrugada, quando eu percebi o que DEUS tinha feito na minha vida, comecei a chorar, na varanda de casa, lembrando de tudo o que tinha acontecido. E agradeci.
9 Você mudou sua visão a respeito da Medicina no decorrer do curso?

 

Não e sim. Eu já sabia da rotina pesada de estudos, já tinha ideia da dedicação que o curso exige e, pelo número de nãos que levei no processo, já estava “acostumada” a estudar, estudar, estudar e não obter o resultado compatível com esse esforço.

Mas, ainda assim, a gente se surpreende com o nível de estresse em que as pessoas vivem, com o descaso de alguns professores e passa a perder um pouco da visão romântica que tem do curso: a gente não vai curar todas as doenças, não vai conseguir tratar todos os pacientes (até porque muitos não tem a menor vontade de serem tratados, acreditem!), muito menos gostar de todas as cadeiras.
10 Como é sua rotina hoje, de aulas e atividades atreladas ou não a faculdade?

O curso é integral, como todo mundo sabe; mas eu não deixo de “viver” por conta dele. Tenho minhas obrigações acadêmicas, faço atividades extracurriculares; mas também frequento a academia e participo de atividades na igreja. Ainda tenho dificuldades de estudar nos fins-de-semana…kkk… Mas, quando tem prova, eu me esforço e acontece!!
11 E as dificuldades financeiras, existem? Como você faz pra driblar caso haja?

 

As dificuldades não são tão grandes, porque a universidade é pública. Mas ainda tem alimentação, transporte e muitas cópias. Economizo o quanto posso e participo de atividades acadêmicas com bolsa, o que ajuda bastante. Como o curso é integral, não dá para trabalhar por fora…

12 A Universidade que você é realmente tudo o que você sonhou?

 

Digamos que falta uma coisa aqui e outra acolá, mas eu vi que não é um problema isolado. Todas as Universidades têm um quê de desorganização e a gente tem que aprender a lidar com isso. Quem faz o curso é o aluno, a instituição abre as portas para que sejamos auto-didatas e aprendamos a pensar por nós mesmos.

13 Se você pudesse mudar alguma coisa na sua vida de estudante, o que mudaria?

 

Estudaria mais nos fins-de-semana…kkk… E tentaria cumprir as metas que estabeleço no início do semestre. A medida em que as semanas vão passando, eu me desorganizo e acabo não estudando como acho que deveria (leia-se aqui: algumas provas estudadas de última hora…).

14 Um recado pros nossos leitores & sofredores de plantão.

 

Se de tudo o que foi falado aqui ficar na mente e no coração de vocês que vale a pena correr atrás dos sonhos e que Deus precisa ser o alicerce deles, eu já me dou por satisfeita. Há obstáculos no caminho? Ok! São a força-motriz necessária para seguir em frente.

Independente do que acontecer durante o processo de construção do seu sonho, tenha o desejo forte nos eu coração e saiba o que você quer; pois, quando a gente tem certeza, a gente sabe onde vai chegar, independente do tempo que se leva.

Imagine-se vencendo! Feche os olhos e, quando necessário, deixe as lágrimas escorrerem no seu rosto, porque os vencedores também choram e é de alegria! Pense em como vai ser o dia em que o seu nome estará naquela lista, no que você vai falar, quem vai estar ao seu lado, a quem irá agradecer…

Permita-se sentir a grandeza da vitória no seu coração, para que ela se transforme em realidade, desde o seu acordar hoje, até o dia de fazer a prova e depois, quando no resultado. Mas que isso não seja só no vestibular, que se estenda a todos os seus projetos futuros e conquistas.

Ame as pessoas! Ame a DEUS em primeiro lugar e, fazendo isso, obedeça quando Ele diz para amarmos o nosso próximo como a nós mesmos. Caminhar sozinho é muito triste, e mais cansativo. Ser médico é gostar de pessoas, não apenas ter um diploma da faculdade na parede do consultório. Às vezes elas se vão das nossas vidas e é quando nos damos conta de que não nos demos tempo suficiente para gostar ainda mais delas, e dá saudade daquilo que poderíamos ter vivido…

Por isso:

“ Meus filhinhos, o nosso amor não deve ser somente de palavras e de conversa. Deve ser um amor verdadeiro, que se mostra por meio de ações.” ( Gálatas 6:10; NLT)

Sabendo que o papel do médico é: Curar algumas vezes, aliviar quase sempre, consolar sempre” (Hipócrates)

 

 

 

 

 

 

 

 Até a próxima!

Deus continue nos abençoando…>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Beijos da Cah!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


PAPO DE APROVADO #8

Olá abigóóns , como estão ? espero que bem …
antes das apresentações , preciso agradecer a Lyna por me aturar
por quase 2 hrs em pleno domingo … mas é por uma boa causa né ?! rsrs , obrigada Lyna 🙂 e agora com vocês , esse papo de aprovado super bacana . Espero que gostem =D

Lyna Almeida , 18 anos – caloura da FMUSP

Lyna almeida

– LYNA ALMEIDA É?
hsuahsua..pooxa calma, deixa eu pensar , Lyna Almeida é uma pessoa extremamente falante e sorridente, às vezes em exceso, estou tentando melhorar isso..hehehe Nasci em Aracaju, Sergipe..morei no nordeste
até os 3 anos de idade , minha família paterna mora toda em salvador então sou muito dividida entre esses 3 estados (sp, ba e se). Sou meio brincalhona e às vezes idiota , mas de vez em quando eu dou umas surtadas e preciso chorar
no colo de alguma amiga ou da minha mãe . Extremamente sonhadora!

– POR QUE MEDICINA?
na 1º série eu dizia que ia ser pintora..,
algum tempo depois pensei em medicina e não abandonei mais essa idéia
a possibilidade de trabalhar com pessoas e poder ajudá-las me fascinava muito .. decidi que era o que eu queria pros meus dias . Em uma das férias de verão eu estava em aracaju e acompanhei minha tia que é enfermeira e trabalhava na ala pediátrica de um hospital público de lá , eu devia ter uns 9 anos..
eu olhava pros lados e via quanta gente podia ser ajudada e eu gostaria de saber poder ajudá-las , depois desse dia minha vontade ficou mais
forte de fazer medicina.

– QUANDO COMEÇOU A SUA LUTA PARA PASSAR NO VESTIBULAR ?
então, quando tava na 8ª série comecei a prestar atenção nos meus colegas de classe, eu sempre falava que queria medicina e no meu caso teria de ser em uma pública, meus pais não teriam como arcar com uma particular…percebi que no meu colégio os alunos de ensimo médio passavam as tardes ociosos, perdiam tempo com trabalhinhos de isopor,cartolina e etc ..
não sentia uma preocupação com vestibular e eu não tinha ideia do quanto, mas achava que passar numa publica exigiria esforço,ainda mais medicina
perguntei pros professores onde eles tinham se formado..sempre ouvia UNIP, FMU, São camilo e etc…
mas tinha um da PUCe outro da FEI que me incentivaram a tentar uma boa faculdade . Decidi que não dava mais pra continuar ali,
pesquisei colégios, sites na internet, noticias sobre o enem e etc..fui fazer colégio etapa no ensino médio , não tinha uma bolsa muito grande e era bem apertado pros meus pais, senti muita dificuldade em acompanhar no começo, mas não desisti continuei tentando e aos poucos fui melhorando mas o vestibular ainda era uma coisa distante estudava mais para provas (que aconteciam de no mínimo 4x por semana) no terceiro ano eu me dediquei absurdamente . Sabia que as chances eram pequenas, mas queria ter chegado ao fim do ano com a consciência tranquila de que tinha feito o que estava ao meu alcance … consegui nota pra passar em todas menos em medicina por um lado fiquei triste (MUITO, diga-se de passagem), mas fiquei feliz em ver a minha melhora , a psicopedagoga que me acompanhou no terceiro ano me falou  que eu fui a pessoa que ela mais viu crescer ao longo do ano .

– VOCÊ FREQÜENTOU CURSINHO ?
fiz um ano de etapa 🙂

– COMO ERA SUA ROTINA DE ESTUDOS ?
então variava muuito , no primeiro semestre eu fazia o MT (medicina total) um reforço que consumia minhas tardes estudava no cursinho a noite ,  fazia os simulados quando me enjoava eu ia pro centro cultural pra mudar de ambiente
no segundo semestre parei com o MT e comecei outro reforço,que era mais leve,com aulas só aos sabados de manhã .

– E AS DIFICULDADES , VOCÊ TINHA ALGUMA ?
eu tentava manter a materia em dia, mas o mt tinha me atrasado muito …
dai como tava atrasado, acabava tirando o dia para estudar tal coisa, priorizando o assunto que estava com mais dificuldade eu estabelecia metas para cumprir, e as vezes ia moldando elas de acordo com o meu rendimento em conseguir cumpri-las ou nao em agosto meu namoro acabou e isso me abalou muito fiquei estudando mais em casa . Ah, no segundo semestre comecei a fazer curso de redação tbm,  me ajudou bte, eu gostava de redação,  ela pode fazer uma diferença enorme na nota final do vestibular.

–  E NOS MOMENTOS DIFÍCEIS  ?
eu procurava algum Amigo pra desabafar, principalmente quando meu namoro acabou , assistia vídeos no youtube que me incentivavam, nessa epoca descobri o padre fabio de melo heuheuehue , as vezes procurava sair,me distrair
se nenhum amigo podia ir comigo, eu ia no cinema sozinha mesmo …de vez em quando umas baladas ou sair pra dançar tipo forró universitario , sentia que se eu tirava o sabado ou o domingo pra me divertir,conseguia voltar a estudar melhor durante a semana,rendia melhor segundo semestre foi mais tenso do que o primeiro .

– EM QUAL VESTIBULAR VOCÊ TEVE O MELHOR DESEMPENHO ?
passei na 1ª lista da pinheiros, da ufmg e da unirio(pelo enem..na unirio minha colocação foi a melhor dentre essas três,mas não lembro exatamente)
mas na ufmg passei pro segundo semestre dai depois fui chamada pro segundo semestre da ufrj(pelo enem de novo) e fui chamada na 2ª lista da unifesp.

– COMO FOI VER SEU NOME NA LISTA DE APROVADOS?
então, a primeira que tive noticias foi a da unirio eu tinha terminado de fazer a 2ª fase da ufmg dai tava no aeroporto pra poder viajar pra aracaju, tava dormindo dai acordei com meu celular tavam chamando meu vôo e tinha milhões de chamadas não atendidas , era minha tia avisando que tinha saido o resultado do enem e eu tinha passado na unirio eu fiquei feliz no avião a ficha começou a cair de que tinha acabado, de que não precisaria mais fazer cursinho
dai chorei e tals . Quando cheguei a familia tava toda feliz mas eu não estava feliz por completo não conseguia parar de pensar nos resultados de SP unicamp eu achava que não tinha dado, estava com um pouco de esperança na paulista e
achava que fuvest não tinha dado chorava muito nas vesperas dos resultados .. quando voltei pra são paulo ,vim chorando no avião porque não queria chegar em casa e ver  que meu nome não tava na lista da pinheiros era a que eu mais queria!era um sonho impossivel!!  foi o tempo de chegar em casa e ligar o computador, em 10 minutos vi alguem na vdm dizendo que a lista tinha saido
me tremi toda ..e meu pai tava no telefone comigo no emprego quando vi meu nome lá e embaixo MEDICINA USP eu não conseguia para de chorar e soluçar
e meu pai quase tendo um treco do outro lado do telefone pq eu não conseguia falar pra ele que tinha passado só conseguia chorar achava que era mentira que devia estar errado que não podiam fazer uma brincadeira de mal gosto dessas liguei pra minha mãe que ainda tava em aracaju pra avisá-la .
só não foi mais feliz pq meu irmão tava prestando direito e não tinha passado fui pro etapa cheguei lá e os veteranos estavam lá pra pegar a gente e levar pras clinicas meu tel não parava de tocar,era incrível nunca recebi tanto parabens,melhor que aniversário !! 🙂

– DEIXA UM RECADO PARA NOSSOS LEITORES/VESTIBULANDOS .
Não desistam! eu sei que as vezes é horrível, que você não aguenta mais ver aquela mesma materia e as pessoas de fora achando que você não consegue, mas força pra superar tudo isso! a sensação de um sonho realizado é unica, uma sensação muito maravilhosa e que faz valer todo o esforço,faria tudo de novo se fosse preciso! força que uma hora sua vez chega!

Lyna e Dr. Arnaldo

THE END ! rsrs

Bom pessoar , esse foi nosso papo de aprovado 8 , espero que tenham gostado assim como eu ,
a cada papo de aprovado que faço/leio é uma motivação a mais pra mim …

Boa semana
Até quarta-feira

Beijo no Rim
Thais Cândido


Papo de Aprovado #7

Bom dia, boa tarde ou boa noite como vossa senhoria preferir…

Quem vos fala é a Xu, que andou desaparecida do mapa, tenho meus motivos, mas vamos deixar isso pra lá porque nas férias meua amigos vocês vão enjoar da minha cara aqui!

Hoje tem mais um papo de aprovado aqui, com um amigo meu da Med Taubaté, o entrevistado de hoje é um figura e muitos de vocês que varzearam ou varzeiam no Ensino Médio vão se identificar com essa moço…

Quem é o Gui?

Luiz Guilherme Neres da Silva, 19 anos, 1,90m, mais um paulistano filho de nordestinos. Um cara essencialmente tranquilo, procuro sempre me manter despreocupado. Tenho fanatismo por esporte! No meu (minúsculo) tempo livre procuro me manter informado a respeito do futebol, mais especificamente meu time de coração, o São Paulo J! Minha filosofia de vida é aproveitar cada fase o máximo possível (inclusive a de vestibulando)! Hoje, estudante da 45ª turma da Faculdade de Medicina de Taubaté, um dos cursos mais tradicionais do interior de São Paulo. Estou adorando tudo!!!
Porque você escolheu Medicina?

Diferente de muitos da nossa área, sem romantismos. Como já citei, sou essencialmente tranquilo… O que não disse ainda, é que já fui MUITO descompromissado. Até o fim do 3º ano, eu não tinha objetivos de vida, não tinha VONTADE de estudar, era retraído, tinha pouquíssimos amigos… Sinceramente? Olho pra trás e vejo um lixo de pessoa. Era difícil (e é até hoje) me prender a atenção, me despertar interesse. No entanto, uma coisa que sempre me fez prestar atenção na aula e pesquisar na internet a respeito, era o funcionamento do corpo humano. Acho tudo muito perfeito, e queria entender os processos que acontecem. Associado ao fato de eu gostar MUITO de gente e de ter um exemplo de uma médica formada em casa(minha irmã *__*)… TCHAN! Medicina é o que eu quero(decisão tomada no último mês do Ensino Médio)!
Como você dividia seu tempo de estudo?

Bem, tempo de estudo pra mim = meu ano de cursinho(2010)… Antes disso, não sabia o que era estudar rss! Eu considero IMPORTANTÍSSIMO ter uma rotina de estudos para se obter um resultado favorável no vestibular. Acostumar seu corpo com uma determinada carga horária de livros e exercícios é fundamental. Forçar a barra, se achar o superman, também não vale!
Rotina simples :
De segunda a sexta, pegar o metrô, chegar ao cursinho as 7 horas, assistir as aulas até 12:40, almoçar/fazer social(siiiiiiiiim, também vale) até as 14:30/15:00, e estudar no cursinho mesmo(tirando muitas dúvidas no começo, diminuindo gradativamente) até as 21:00/21:30. Acordar as 5:40 no dia seguinte.

Sábado, a aula começava as 8:00 e terminava 12:40. Almoçava(sem social agora) e estudava até as 18:00 lá no cursinho. Sábado a noite e domingo? NADA! Sem stress! Aliás, tinha um stress sim, domingo era dia de futebol e meu time estava numa pindaíba danada hahahaha! Todo esforço da semana era recompensado por esse tempo de relaxamento!

Essa era a minha rotina, eu RESPEITAVA meu corpo, minha cabeça e me preparava para o vestibular.

 

Quais eram suas maiores dificuldades?

Simples. Eu estava concorrendo com gente preparadíssima e tinha tirado 42 pontos na FUVEST 2009/2010! Como me preparar como os outros se eu estou 1 milhão de quilômetros atrás, tudo isso respeitando meus limites?
Qual era sua ‘inspiração’ nos momentos de desânimo?

Momentos de desânimo eram raros. Eu não me sentia no direito de desanimar, tendo uma oportunidade daquelas. Saudável, tendo capacidade e tempo pra estudar, pais que me incentivavam e pagavam um cursinho pra mim…  Eu tinha de agarrar aquela chance, simples assim! Quantas pessoas não gostariam de estar no meu lugar? Na faculdade mesmo, conheci gente que não teve apoio dos pais e teve que trabalhar pra pagar o cursinho por 2, 3 anos! Eu tive sorte e tinha vergonha na cara de assumir aquilo, portanto, eu me lamentava menos e estudava mais! Num eventual desânimo(somos seres humanos), eu procurava ver minha evolução em simulados ou dar uma olhada em quantos exercícios eu já tinha feito na Baby(quem fez etapa sabe rsss)

 
Como foi ser aprovado?

Pra variar, sem romantismos huauhahuahuhauuhauha. Dia 12 de dezembro, tinha UNIFESP, eu estava concentrado pra prova, mas eu me conhecia… Se eu não visse o resultado, a prova seria uma desgraça. No entanto, eu achava que uma notícia de aprovação ou reprovação naquela hora também só atrapalharia. Enfim, no meio desse dilema, vi a classificação de manhã, ESCONDI o resultado de todos, fiz a prova da UNIFESP, fui mal, e fui comemorar a noite com meus pais… Minha mãe pensa que ela contou a “surpresa” até hoje HAHAHA.
Você mudou sua visão a respeito da Medicina no decorrer do curso?

Já falei que falta romantismo na minha vida? Hahaha. Eu não tinha visão a respeito do curso, só queria entrar na faculdade, aprender a respeito do corpo humano, ajudar pessoas e ser médico! Minha ideia a respeito do curso era o que minha irmã dizia(também formada em Taubaté, 36ª turma, hoje residente de cirurgia geral do Hospital Municipal Mário Gatti, de Campinas).
Como é sua rotina hoje, de aulas e atividades atreladas ou não a faculdade?

Vish, uma loucura!

Segunda-feira, bioquímica de manhã, almoço, bioquímica a tarde! 7 horas tem reunião do Diretório Acadêmico da faculdade(órgão político, portal entre os estudantes e a pró-reitoria estudantil). O laboratório de anatomia costuma ficar aberto essa hora, vou lá pra memorizar as peças pra prova prática, fico lá até umas 10 da noite.

Terça-Feira, introdução á prática clinica de manhã, almoço, bioquímica a tarde! Tem treino de vôlei 20:30!  No tempo livre dá pra estudar, tomar um açaí com a galera…:)

Quarta-Feira, Genética de manhã, Português(isso mesmo kkkk) a tarde! Dia 100% livre, além de ter as aulas mais fáceis e que acabam mais cedo! Tem que compensar os atrasos e sair com a galera neste dia 😀

Quinta-Feira, Histologia ou Embriologia de manhã e a tarde Anatomia! Costumo ir na biblioteca a noite, me concentro mais lá!

Sexta-Feira, 24 horas de Anato, treino as 18 horas e volto pra São Paulo *__*!
Um recado pros nossos leitores & sofredores de plantão.

Não desistam, confiem em si mesmos, estudem, tentem enxergar as coisas positivas da vida. A época de cursinho é uma das melhores de nossas vidas, é só saber aproveitá-la.  Poxa, foi quando eu fiz mais amigos, eu dormia bem, eu saía de sábado, eu dava MUITA risada… Não estudava como louco, mesmo assim, subi dos 42 pontos da fuvest 2009/2010, para honrosos 69 em 2010/2011. Faltou pouco pra enfrentar uma segunda fase, no entanto, por motivos pessoais, tinha de iniciar o curso este ano, e graças a Deus consegui entrar num curso de muita tradição e qualidade. Sei que muitos estão na luta por uma faculdade pública, e pra vocês quero passar uma mensagem de tranquilidade e seriedade. Paranóias, surtadas, nunca levaram e nunca levarão ninguém a lugarnenhum… Você passa no vestibular com um misto de competência, dedicação, CONCENTRAÇÃO(portanto, SAÚDE em dia é primordial) e um pouquinho de sorte. Bons estudos a todos!
 PS: Estou pensando num post legal distrações nas férias, eu moro em Sampa sei indicar batante coisas por aqui. Queria que vocês participassem de um post meu, falando onde vocês moram e o que vocês indicariam pra quem vai passar as férias aí ou pra quem mora próximo. Conto com vocês seus bonitos! Enviem sugestões para estacaovest@gmail.com

PS2: Gente curtam nossa página no FaceBook

http://www.facebook.com/pages/Esta%C3%A7ao-Vestibular/132863393451106?sk=wall

Beijos Xu.
Garra e Superação.


Papo de Aprovado #5

Opa depois de alguns dias em branco voltamos com mais um papo de aprovado! E Hoje ele vai ser com Lina que é uma veteranaana da vdm, quem é mais antigo sabe do que eu tô falando HAHAHA Ela tá no terceiro ano da UCPel lá no sul e j[a foi capa da vdm…

Quem é a Lina?
Na verdade, eu não sou mais a Lina. Eu sou a Paulista =D e reza lenda que meu diploma vai vir escrito ‘Dra. Paulista Gomes França’ uahsauhsauhsauhsa
A Lina tem 24 anos, é nascida em SP, mas tá apaixonada pelo Rio Grande do Sul. Quer fazer Gineco&Obstetrícia pra lidar com parte clínica e cirúrgica.
A Lina é pisciana com ascendente em leão, então ela é desligada, apaixonada, sensível, compreensiva, competitiva, aparecida, falante e adora ser o centro das atenções. Eu tô aceitando essas coisas hoje em dia. Sou fdp quando preciso ser, fria, racional, cética, dura, me imponho e ás vezes ajo feito rolo compressor. Mas no geral, eu adoro ajudar as pessoas. Adoro conversar e brincar. ADOOORO!!!
A Lina é super carente e tá aprendendo a se aceitar, amadurecendo e sofrendo todos os dias.
A Lina é viciada em café, bons drinks, ciência, gelatina, twitter, coreografias de buatchy, aula de jump e homem inteligente.
Não vejo TV há varios meses, só quando volto pra sp. Leio muito site de notícia do RS e de SP.

A capa da vdm em 2008

Porque você escolheu Medicina?
IXI, a história é longa.
Em 2007 eu tava trabalhando de recepcionista, fiz amizade com os médicos e enfs do AMA (pronto atendimento da prefeitura de SP) e não tava feliz com a faculdade de turismo. Um amigo me disse uma vez que ‘meus olhos brilhavam quando falava do pronto-socorro’ e a sementinha já tava plantada. Foi questão de tempo até largar a faculdade e ir estudar química e física sozinha. NÃO DEU CERTO, prestei usp e unifesp de bobeira. Mas dentro do meu coraçãozinho eu tava feliz porque já tava atrás do sonho. Sabia que era questão de tempo. Muitos amigos estavam apoiando e minha mãe chorou taaanto quando contei pra ela. Fiz prova de bolsa no Anglo, peguei bolsa e fui estudar. Isso em 2008. Abri mão de bastante coisa mas mesmo assim viajei, saí algumas vezes, tive uns peguetes (UAHSUAHSUAHSAUSHA) e estudei feito uma louca, a ponto de ir trabalhar virada de lista de exercício de física ou com ressaca de química organica. AUSHAUHSAUHSAUSHA. Aí prestei em vários lugares e vim conseguir em Pelotas, pelo Prouni, que só tentei por culpa de 2 pessoas: Dra Dolores, uma médica ‘clínica geral’ das antigas, gaúcha que sentou do meu lado um dia e disse ‘vai pra Pelotas, procura aí, faculdade de medicina de Pelotas’ e a Bibis, a Bianca (que tá no 6o ano da UCPel) que me incentivou MUITO a ir pro sul e a entrar na UCPel.
Resumindo: meu emprego no AMA plantou a sementinha da medicina, a vivência de ‘ser médico’ que tive conversando com eles, mas acho que o grande negócio foi a vontade que eu sempre tive de ajudar as pessoas, meu apego a ciência.

Bibis: a culpada!

Quanto tempo de cursinho, e o que ele acrescentou à sua vida?
Um ano de cursinho, onde aprendi a estudar de verdade. Foi onde tive aulas decentes de química, biologia, física e matemática. Aprendi a aprender de verdade, e isso é essencial pra vida acadêmica. Por mais que eu já tivesse iniciado 2 faculdades, só aprendi mesmo a estudar e ter disciplina no cursinho. Acho incrível a didática que os profes tem.

Como você dividia seu tempo de estudo?
Era tenso. Trabalhava das 7h as 16h, pegava 1h de transito até o cursinho e ficava lá até as 23h, voltava pra casa e estudava até 1h da manhã. Isso quase o ano todo. Fim de semana eu dormia mais, estudava mais, ia pro plantão de dúvidas, estudava. Era terrível, mas era delicioso.
E eu viajei umas 2x (pro RJ, pra MG e pra outros lugares), fui pra umas festas (num ritmo bem menor que antes, mas mesmo assim eu curti), arranjei uns 2 namoradinhos, ia no cinema com amigas, sempre dei um jeito. Me disciplinei muito e aprendi a desencanar de certas coisas e me focar no que é importante (mas ainda sou meio neurótica com metas de estudos, tanto que falta 2 semanas pra prova e o conteúdo tá quase todo estudado, falta só revisar). Tem que ir com tato, tem que se conhecer, se aceitar e ir lidando com as próprias dificuldades. Um puta trabalho interno.

Quais eram suas maiores dificuldades?
Ixi, nem vou lembrar. Mas no geral física e química. Estudei o basicão, nunca fui excelente, sabia o mais superficial pras provas mesmo. E acho que foi suficiente, porque não tive problemas na bioquímica nem na fisiologia =D

Qual era sua ‘inspiração’ nos momentos de desânimo?
Ahhh, essa tem até foto no orkut. Fiz uma frase e coloquei num bonequinho ‘UM TREM POR VEZ’. Não lembro quem, mas teve um amigo mineiro meu que vivia falando trem e eu um dia, neurótica com os conteúdos, escrevi no papel (sempre que fico neurótica escrevo, isso é regra) e guardei. Coloquei na mesa de casa e fiz outro pro escaninho do meu trabalho. Ajudava muito a respirar na hora do desespero.
Aplicando na faculdade, quando me deparo com algo que assusta (por ser novo, diferente ou despertar medo) eu penso ‘volta no conceito, lina’.

Como foi ser aprovado?
Foi um choque, uma loucura, um tesão. Tava louca de medo de olhar meu nome na lista do prouni. Entrei lá pelas 13h, voltando do almoço. Sentei na mesa do meu colega e achei meu nome com a bolhinha verde. Fiquei bobona olhando pro monitor, meio com cara de retardada até que a assistente social virou pra mim e perguntou se eu tava bem. Eu disse ‘sim, eu passei em medicina’. Depois disso só lembro que fui pro corredor interno e saí pulando e gritando e chorando, me manchei toda de maquiagem, ganhei vários abraços, uma turma de médicos me levou pra passear e ficaram me enchendo de dicas pra faculdade. Foi sensacional.
Poucas sensações se igualam a esse dia.


Você mudou sua visão a respeito da Medicina no decorrer do curso?
Mais ou menos. Nunca tive uma visão romanceada, nem de seriados nem nada, porque senti na pele desde o começo a dureza da saúde pública (que é o grande desanimo na faculdade, por dificuldades e frustraçoes). Só percebo que tô muuuito mais crítica em relação a sociedade, aos valores que dão as coisas (vide desvalorizaçao dos médicos pelos planos de saúde, desrespeito das prefeituras, falta de plano de carreira, mercantilização/judicialização da medicina) e o impacto que a educação tem em relação a saúde e a ciência em geral (como é que se explica sobre doenças, prevenção, tratamento, reabilitação pra um povo que não sabe ciência direito?).

Como é sua rotina hoje, de aulas e atividades atreladas ou não a faculdade?
Vou fazer algo bem didático e explicadinho UAHSUAHSAUSHAUSHA porque senão até eu me perco. O fixo é:
Segunda: ambulatório de clínica médica, aula de saúde coletiva, teórica de patologia, mais uma de saúde coletiva, academia, 2h estudando.
Terça: UBS (prática de saúde coletiva), tutoria de saúde coletiva, prática de técnica cirurgica, academia, 2h estudando e cama.
Quarta: Lavo roupa, faxina no apê, teórica de dermato, pesquisa de campo, academia, 4h estudando. Ou plantão na psiquiatria.
Quinta: Pesquisa (papelada), caso clínico, teórica de farmaco,academia, reunião da liga da dor, 1h estudando
Sexta: Prática de patologia, teótica de técnica cirurgica, teórica de endócrino, prática de radiologia, téorica de reumato, teórica de patologia, 2h estudando.
Sábado e domingo: coloco os conteúdos em dia, termino a papelada da pesquisa, faço mais pesquisa de campo, vou no mercado, tomo mate, durmo, limpo o quarto, vejo filme, bebo, danço, saio com alguém, dou plantão na psiquiatria, fico neurótica. TEM QUE DAR TEMPO e sempre dá.

Um recado pros nossos leitores & sofredores de plantão.
Lutem, sempre!!! Não se desesperem, nunca achem que o mundo vai acabar ou que aquilo é a pior coisa do mundo. Não é. Não vai acabar. Tentem vivenciar um pouco o que é a medicina, conversem com médicos e o principal: NAO PRESTEM VESTIBULAR PRA ENFERMAGEM, FISIOTERAPIA OU FARMACIA. Pior coisa que existe no mundo (e tem muuuuuito) é profissional frustrado e achando que qualquer coisa é parecida com medicina. Cada profissional tem seu campo estabelecido e o conhecimento é voltado pra área. Exceto se você sentir ‘o dom’ daquela profissão, não vale a pena seguir outro caminho. Sonho é sonho e tem que virar meta pra se tornar real. Coloquem as metas e corram atrás. O primeiro passo é o vestibular, a resistência, a disciplina e o auto-conhecimento. Pra aguentar esses 6 anos, é necessário ter as marcas da guerra do vestibular. UM GRANDE BEIJO PRA TODOS, e espero encontrá-los nos congressos em alguns anos.

Quero acrescentar umas coisinhas:
– Eu chorei no dia do trote, quando virei monitora de anatomia e quando me identifiquei com uma paciente
– O primeiro diagnóstico é algo incrível e dá muito medo.
– Eu desmaiei no primeiro parto ‘normal’ que acompanhei
– Em 2009 eu achei que não ia aguentar o frio e a umidade de Pelotas, mas quando eu tirei 9,3 em anatomia eu percebi que tinha que aguentar
– A Bibis é a minha mentora, preceptora, monitora e companheira de festas
– Existe um código velado de roupas, cabelos, unhas e comportamento
– Eu sonho de vontade de ir no Intermed até hoje
– Na 2a semana de aula, apresentei um seminário superficial, com pouco conteúdo, achando que não ia dar em nada, o profe de fisiologia disse ‘você vai ser uma péssima médica, tenho pena dos seus pacientes’, eu voltei pra casa, chorei, chorei, chorei,achei que não ia conseguir estudar e estudei de raiva só pra esfregar na cara do fdp. E ESFREGUEI, porque 2 semanas depois ele tava me elogiando por responder todas questões. Por isso digo que eles transformam a gente na paulada. (Esse professor colocou 40 alunos em exame e rodou 15 da turma de 100 alunos.)
– Depender dos pais depois de ter sido independente é algo díficil, mas é recompensador
– Não fiquem neuróticos com questão de livros, xerox, dinheiro e rotina. Tentem alcançar uma coisa de cada vez. Com humildade e tranquilidade a gente consegue TUDOOOO.

Obrigada por ler.

Xu (:


Papo de Aprovado #4

Boaaa noiteeee! Hoje vamos ter mais um Papo de Aprovadoo e hoje com a Miss da vdm! *.* A Kenya! =D

Espero que vocês gostem! =D

Quem é a Kenya?

Eu sou a Kenya Gastal Figueiredo, tenho 20 anos, moro em São Paulo e estou no 1º ano de Medicina na USP – Pinheiros =)

Porque você escolheu Medicina?

Na verdade essa pergunta é meio difícil de responder shaishaisa Porque são vários motivos. Acho que o primeiro, que pra mim é a base da profissão, é a vontade de ajudar os outros. A afinidade por biológicas [e a ajuda da repulsão por matemática  uhahuauh] também me levou a essa escolha… sempre gostei mais de biologia, química e física. No cursinho eu aprendi a gostar muito de humanas também e acho que isso é favorável numa carreira como a medicina, que trata dos aspectos técnicos das doenças sem deixar de lado a humanização. E isso também ajudou a minha escolha. Diante de tantas barbaridades cometidas por médicos desumanos, a vontade de ser diferente acabou contribuindo na escolha por med. Pra mim, é a profissão mais linda de todas.

Quanto tempo de cursinho e o que ele acrescentou à sua vida?

Em 2008 eu estudei sozinha, o que me deu maior disciplina e me ajudou a correr atrás das dúvidas sem ajuda de professor, etc. Em 2009 fiz Objetivo, passei pra segunda fase da FUVEST [no cooorte uauuhauha] e fiquei em 364º lugar na carreira. Passei na UFCSPA em medicina e fui cursar… mas fiquei 1 mês e decidi voltar pra São Paulo, porque além da distancia da família e as saudades que eram ENORMES, que foi sem dúvida o principal motivo, também ficou aquela vontadezinha lá no fuundo de tentar de novo o meu sonho que era pinheiros [e que eu acreditava que não tinha ficado tããão longe, pela colocação que eu fiquei naquele ano]. Vim pra São Paulo em abril de 2010 e voltei pro cursinho (fui pro ETAPA).

O cursinho por mais chato, insuportável que seja, amadurece bastante e nos dá uma noção de responsabilidade. Lá, não tem professor cobrando falta, nota de prova como no colégio, cada um estuda como quiser, vai à aula quando quer e tem que ter a noção das suas dificuldades e excelências. E eu aprendi a gostar de matérias que eu não suportava no ensino médio, como história.. no 3º ano eu odiava e no cursinho passou a ser uma das minhas preferidas. Além disso, os professores do cursinho são engraçados uhasiahsiah

Como você dividia seu tempo de estudo?

No ETAPA eu tinha aula de manhã de segunda a sexta e segunda, terça e quarta à tarde tinha o MEDICINA TOTAL (MT), que era um reforço pra medicina com exercícios bem avançados e aulas especiais. De manhã eu assistia aula, no horário do almoço eu ia pra sala de estudos e tentava fazer os exercícios das matérias que eu não tinha dificuldade [pra já matar as matérias fáceis], à tarde eu ia pro MT e à noite eu chegava em casa e estudava o resto das matérias [geralmente as que eu tinha que ler muita teoria antes de fazer exercícios]. Muitas vezes não conseguia fechar todas as matérias, e eu jogava o que faltava pro final de semana… redação eu no início só fazia quando tinha simulado ou aula de redação no MT, mas ai fui vendo que as notas não estavam láá essas coisas [6 e não passava disso], começou a ser uma preocupação. Comecei a ler jornal 1x por semana, comprar revistas de filosofia [essas que vendem nas bancas], porque a FUVEST adora temas doidos filosóficos shuaisha, e anotava todas as idéias importantes de filósofos num caderninho e ia lendo sempre pra gravar [não decorar!]. Comecei a fazer redação mais regularmente, 1x por semana, mostrava pros plantonistas, e lá pro final do ano minhas notas em redação nos simulados chegaram a 9.. 9,5 =} É mto bom qdo a gente vê o esforço dando resultado =] Eu acho que minha motivação é o oposto de muita gente…. qdo eu tiro nota alta, quero estudar mais [com medo de cair de nota ou esquecer o que eu aprendi uhahua]

Quais eram suas maiores dificuldades?

Minha maior dificuldade era em matemática. Na FUVEST passada [2010], eu errei [vulgo chutei] de mat umas 6 em 10 na primeira fase uhahuahu mas isso foi pq eu realmente deixei de lado matemática porque eu não gostava… e esse é o erro, justamente aquelas matérias que vc não gosta é que precisam de mais atenção. As matérias vão cair e não tem como fugir delas. Meu objetivo em 2010 era aprender finalmente matemática, e tentei pegar desde o comecinho [porque matemática é o tipo da matéria que se vc não sabe a base, não tem como aprender o resto]. E eu nunca achei que ia passar na UNIFESP por causa da matemática, porque sempre achava mat lá O terror… e foi o que acabou me aprovando lá.

Geografia também nunca me atraiu muito e em 2009 acabei deixando de lado. Em 2010 peguei mais firme e acabei aprendendo muito mais e até me interessando bastante.

Inglês também não era lááá meu forte, e como percebi que FUVEST e UNIFESP [q eram minhas prioridades] pediam muuuuiiito mais textos e interpretação do que gramática, comecei a traduzir textos toda semana e fazer um caderninho de vocabulário. Ajudou bastante!
Qual era sua ‘inspiração’ nos momentos de desânimo?

Quando eu estava desanimada sempre eu via fotos do pessoal da pinheiros nos álbuns do Orkut e me animava hsuaihusa E o que mais me animou eram os vídeos da bateria da pinheiros e as músicas da bateria que eu já tinha no computador… eu estudei minha revisão inteira com as músicas da pinheiros no meu fone de ouvido HSUASASHA já entrei na faculdade sabendo as músicas de cor hsuaishaisuahsa e hoje estou indo nos ensaios da bateria da pinheiros pra tocar na CALOMED.. às vezes é até estranho pq demora pra acreditar que participo de um sonho que eu achava muitas vezes impossível =}

Como foi ser aprovado?

Eu já tive uma aprovação na UFCSPA antes das de 2011, e foi muuuito feliz! No SISU, a cada dia de inscrição fechavam a nota de corte e mostravam as posições.. e eu acordava 5h da manha toodo dia pra ver, rezando pra não cair fora das vagas shaishaisua  Mas eu tenho que confessar que a aprovação na faculdade dos seus sonhos, aquela pela qual você lutou o ano inteiro, chorou, brigou contra si mesma e o cansaço, é INEXPLICÁVEL. Quando saiu a lista da FUVEST 2010, eu vi pela busca dos nomes em vez da lista propriamente dita.. e eu não gostei do jeito que apareceu uhauhahuuha ‘’Não convocado para a matrícula nesta chamada. Aguarde a próxima.’’ Traumatizei com isso em 2010 hahuauuhahu e eu queria ver a lista liiista meesmo em 2011, pq se eu não passasse, pelo menos não ia ver esse ‘ NÃO CONVOCADO’ auhsuhashua  Mas aí no dia do resultado saiu o link das buscas de nomes primeiro, antes da lista.. Tomei coragem, vi, não acreditei e a FUVEST em poucos segundos tirou do ar o link ¬¬ achei q o meu ‘Candidato chamado para matrícula’’ era erro do site e em seguida a Ya daqui do blog me ligou dizendo que era verdade =) Não dá pra explicar, só posso dizer que é a MELHOR sensação de conquista que existe. Veio tanta coisa na minha cabeça que eu fiquei meio sem reação um tempo suhaishauisahsiausha Acho que se me deixassem reviver momentos, esse seria um que eu gostaria muito de reviver [senão o que mais gostaria]… não é sempre na vida que a gente chora de felicidade.
Como é sua rotina hoje, de aulas e atividades atreladas ou não a faculdade?

No primeiro ano e no primeiro semestre do segundo, a gente tem a maioria das aulas na Cidade Universitária. As matérias que eu tenho no 1º semestre são: Anatomia, Biologia Molecular, Bioquímica, Biologia Celular e Histologia, Fisiologia de Membranas, Atenção Primária à Saúde e Introdução à Medicina e suas Especialidades [intromed] Particularmente a intromed é a que mais nos deixa integrados à profissão… dentro dos módulos os alunos discutem casos clínicos, visitamos partes do HC [na ultima aula a gente visitou o Centro Cirúrgico, foi mto legal], temos aulas de enfermagem [ex: aprendemos a dar injeção, tirar sangue, etc], temos aula de procedimentos médicos com bonecos simuladores etc etc… é bem interativo e estimulante =)

Na pinheiros tem muitas opções de atividades extracurriculares… tem tanta coisa que você fica meio perdido. Eu ainda estou nesse estágio uhauha, então tem coisas que eu ainda não conheço direito suahisahsa Mas agora agooora, eu estou indo nos ensaios da bateria, treinando algumas coisas pra calomed [na vdd tentando, pq não tenho lá mtas habilidades ahuauhsiahsua], pensando em fazer uma liga e o resto ainda não decidi =)

As aulas começam 8h na maioria dos dias e terminam 18h [na vdd qse sempre terminam antes]. É bem corrido, não da tempo de estudar todo dia que nem no cursinho.

Você mudou sua visão a respeito da Medicina no decorrer do curso?

Ainda tenho pouco tempo de aula, mas se mudou foi pra melhor shuaishaihusa tem matérias que animam muuuuuito =] mas tem outras que desencantaram um pouco[umas do ciclo básico], porque a gente entra na faculdade achando que já vai andar pelo hospital e ter contato com paciente… mas não adianta, todo aprendizado é gradativo. As matérias do ciclo básico geralmente são teóricas e meio distantes da prática médica. Mas são a base das matérias clínicas que vamos ter a partir do 3º ano, e mesmo assim elas não deixam de ser interessantes [e melhores que as matérias do cursinho suaishasua]
Um recado pros nossos leitores & sofredores de plantão.

Tem um recado que eu sempre escutava de quem estava na faculdade e aparecia em TODA entrevista de aprovado… e hoje eu entendo e repito: não desacreditem em si, não deixem que a insegurança os derrube e não desista. TODO o esforço VALE a pena. E todo o sofrimento, nervosismo, pavor, cansaço, desânimo desaparece na hora que você vê seu nome na lista… eu tinha uma neura com idade, porque todos os meus colegas de terceirão já estavam quase se formando e eu no cursinho aprendendo fotossíntese usiahsausiuahsua mas hoje a última coisa em que eu penso é a idade, muito pelo contrário… a gente vê que na faculdade entram pessoas mais velhas e às vezes beem mais velhas que você. Eu faria TUDO de novo. E mais se fosse preciso. Toda a agonia do cursinho se converte [e se multiplica] em felicidade, alívio, orgulho quando seu nome aparece acompanhado de um ‘convocado para matrícula’. E ninguém sabe a matéria toda, nem vai saber. E ninguém é melhor que ninguém. Antes de passar você tem a ilusão de que os caras que já passaram eram super nerds, superdotados, gênios… mas são pessoas comuns. Iguais a você. O que os diferenciou dos outros candidatos foi o esforço e a dedicação, e isso é acessível a qualquer um. Nenhuma conquista vem de mão beijada, não adianta esperarmos ela vir… temos que correr atrás, ter persistência. E isso o diretor da faculdade nos disse no primeiro dia de aula, após perguntar quem tinha feito 3 anos de cursinho ou mais: ‘ a primeira qualidade de um médico vocês já tem: a perseverança’. Quero que a vdm continue com as super aprovações de sempre e que vocês sejam meus calouros ano que vem! =D E a turma 100 histórica tá vindo com uma promessa de super recepção =] Ótiiiimooos estudos e obrigada ao pessoal do blog! =DD


Papo de Aprovado 3#

Oláaaa vestibulandos!!! Tudo bem com vocês? Espero que sim! =D Hoje vamos ter mais um Papo de Aprovado com o André Saijo, mais conhecido como Déco! Aluno da Turma 97 de medicina da USP . Espero que gostem =D
  

Quem é o Déco?

Deco, André Saijo, 21 anos, velho frequentador da VDM, mas ainda passo lá de vez em quando :), estou no terceiro ano de Medicina.


Porque você escolheu Medicina?

Ah, pra falar a verdade, eu não sei exatamente. Tem sempre aqueles que falam que nasceram sabendo que queriam medicina. Mas não é o meu caso… decidi por medicina na hora que estava preenchendo a ficha da fuvest no terceiro ano, talvez por ser um grande desafio, ou mesmo aquela idealização da medicina de salvar vidas e ajudar os outros. Mas acho mesmo que no fim a gente escolhe por saber como é bem a profissão, é mais concreto, né? Ou você é médico de hospital, ou de consultório. Pelo menos é o que a gente pensa. Mas tem tanta coisa a mais, e isso que é legal na medicina. Enfim, enrolei e enrolei e não falei hahaha mas posso responder outra pergunta? “Porque você continua na Medicina?”, acho que essa é a pergunta certa. Eu continuo porque adoro ouvir os pacientes, não vejo nada melhor do que olhar para eles e ver que posso fazer a diferença de alguma forma na vida deles, e então, o que é o melhor disso tudo, receber um sorriso de gratidão por você simplesmente estar ali, mesmo não tendo feito muita coisa. Enfim, essa coisa de contato humano é o que me atrai na medicina!

 
Quanto tempo de cursinho, e o que ele acrescentou à sua vida?.

Fiz dois anos, 2007 e 2008. Ah, dizer o que ele acrescentou é meio complicado… foi uma fase da minha vida, e agora eu olho pra ela com saudade até. O cursinho traz pra gente responsabilidade e visão de mundo, eu acho. Mas não acho que são os professores que ensinam isso. Acho que é a situação, aquele monte de gente tudo numa mesma sala com um objetivo só, aquela competição toda… enfim, o cursinho ensina a viver mesmo, é um pedacinho do mundo real dentro de uma sala de aula. E o cursinho também traz grandes amigos, apesar de que é difícil manter contato depois…

Como você dividia seu tempo de estudo?

 Acho que essa foi uma das perguntar que mais me fizeram até hoje, e eu sempre desconverso nela hahaha afinal, eu acredito que eu não sou um bom exemplo a ser seguido, e vou explicar o porquê. Eu assistia as aulas de manhã no cursinho, e ai no almoço eu ficava conversando com os amigos até umas 14:30 pra mais.. e só depois eu ia estudar. Mas ai estudava até umas 18h, porque não aguentava ficar muito tempo lá parado. Enfim, como eu estudava? Eu pegava toda a matéria do dia e fazia os exercícios. E só ahahha mas claro que isso é muito difícil. Uma semana dava certinho, ai na outra atrapalhava tudo, atrasava, fica exercício pra trás… era complicado. Mas acho que o importante é saber o que é prioridade pra você e o que você acha que tem que se dedicar mais, e isso cada pessoa que tem que descobrir sozinho… e quando descobre, pode ter certeza que a aprovação no vestibular fica muito mais próxima! Uma dica boa que funcionou muito pra mim é de copiar editorial de jornal pra treinar redação. Eu odiava escrever redação em casa, e elas sempre ficavam ruins… então decidi copiar editoriais a mão, e realmente ajuda MUITO, você começa a pegar as técnicas de escrita e tal, enfim, reserve um espaço do seu tempo pra fazer isso.. é bem rápido!

Quais eram suas maiores dificuldades?
Ahh, tinha muitas hahaha acho que não só em matérias, mas em comportamento também. Achava difícil ficar parado, não conseguia me concentrar, não tinha muita paciência de ficar tentando fazer exercícios e não conseguir… enfim, eram muitas hahaha e de matéria.. eu não gostava nada de Biologia, por incrível que pareça hahaha, e geografia sempre é chato pra todo mundo. Mas acho que a parte psicológica que era mais complicada mesmo.. tinha que tirar forças sei lá de onde, porque é complicado, né? hahaha

Qual era sua ‘inspiração’ nos momentos de desânimo?
Acho que eram os amigos! Eles foram muito importantes pra conseguir chegar onde cheguei! Eu tinha uma amiga que era da sala de humanas, e ela me dava muita força mesmo, e sempre falo dela em todo lugar porque ela me ajudou muito… nós vivíamos cantando a música do Raul Seixas hahaha de brincadeira mesmo a “Tente outra vez”, e ai surgiam as paródias do tipo: “Tente outra vez, não diga que a questão está perdida, tenha fé em deus tenha fé na física” ahahahah era bobo, mas me alegrava um pouco! E todo dia a gente colocava um papel na nossa mesa de estudos, que era esse aqui:
 

Como foi ser aprovado?

Ahh, é uma sensação única. Realmente não tem como explicar, já que é indescritível. É uma mistura de alívio e orgulho, sei lá.. não sei explicar. Só sei que chorei muito hahaha Eu escrevi isso no meu blog uns anos atrás (aliás, marketing nunca é demais né kekek http://deco97.wordpress.com auhahu)

“Foram momentos de tensão antes do meio-dia. Tinha várias abas do navegador abertas com diversos sites envolvendo a fuvest. Eis que em uma comunidade do orkut, uma pessoa diz: O site da fuvest saiu do ar! Nessa hora você para de pensar no que estava pensando, seu coração parece que quer sair pela boca, mas ao mesmo tempo se encolhe o máximo que consegue. Com muito medo e coragem aperta o F5 do navegador e abre a página de consulta individual. Você digita lá o seu nome, com as mãos tremendo, e com imagens passando pela sua cabeça como flashes, todo o seu ano anterior parece vir a tona na sua mente. Ai enfim aperta o enter, e aquele momento pode ser o mais infinito de sua vida. O instante que demora para seus olhos se fixarem no que está escrito e seu cérebro processar a informação parece que dura uma eternidade, embora na realidade dure menos que milésimos de segundo. O momento seguinte é indescrítivel, porém dá para traduzir em algumas palavras uma fração do turbilhão de emoções que ocorre dentro de você: alívio, alegria, orgulho… e no fim lágrimas escorrem sem que você possa contê-las, já que tudo que você fez deu resultado, todo seu trabalho está ali, na tela do computador e nas lágrimas de sua mãe que está ao seu lado, ou do soluço apertado de seu pai que está no telefone com você. Você sente que este momento poderia durar para sempre, que esta alegria e sensação de dever cumprido supera qualquer outra emoção que você possa vir a sentir na vida. Eu não sei, mas por enquanto o momento em que liguei para meu pai para contar que eu tinha conseguido, pra mim não tem comparação com nenhum outro na vida… as vezes sinto um centésimo da alegria que senti naquele dia quando estou entrando na faculdade, passando ao lado do busto do Dr. Arnaldo, e vejo que tudo que fiz valeu a pena…” 

Você mudou sua visão a respeito da Medicina no decorrer do curso?
 Sim, muito. A Medicina é meio desumana, não é como as nossas idealizações de vestibulando, infelizmente. Ela é muito técnica e decoreba, e, por isso, depende só do médico pra se tornar mais humanizada. Eu acho que a Medicina é meio cruel também, não sei… mas como já disse, o médico que tem o poder de fazer essa Medicina virar o que ele quiser, e ai depende de cada um deixar ela como nos nossos sonhos de vestibulando ou como no nosso desgosto de estudante de medicina cansado de 36 horas de plantão.
 
Como é sua rotina hoje, de aulas e atividades atreladas ou não a faculdade?  
Ah, tô no terceiro ano já, então a vida está boa hahaha começou o Ciclo Clínico, então está muito legal, porque o começo da faculdade é bem complicado. As aulas são bem chatas, sinceramente ahahaha, mas as outras atividades são muito legais, e as práticas também são boas, principalmente as que a gente tem contato com paciente! Ah, já tá ficando muito grande aqui ahahah então quem quiser saber mais é só ler meu blog que lá eu me queixo bastante do dia-a-dia de estudante de medicina auhahuha 

Um recado pros nossos leitores & sofredores de plantão.

Bom, já falei demais né hahaha mas o que eu sempre digo pros futuros calouros é: não desistam! Não tem anda melhor de fazer uma coisa que você quer fazer, que você ama! E quem estiver desanimado, pode falar comigo, passa lá no meu blog e deixa um comentário chorando ahahha eu respondo e vou te dar mil motivos para não desistir nunca desse sonho! Continuem lutando, porque tenham certeza que é muito gratificante! E parabéns pelo blog galera, uma ótima maneira de ajudar os outros e ser ajudado também! :DD Espero vê-los todos um dia nos corredores dos hospitais por ai!